Review – To The Moon – Uma viagem por memórias e emoções

29 de julho de 2013

To The Moon é um jogo de 2011, desenvolvido pelo estúdio independente FreeBird Games, mas foi apenas há poucos dias atrás que o conheci através de uma postagem em uma rede social. No caso, a pessoa estava comentando sobre como o jogo é emotivo, e que chegou até a chorar jogando. Foi a partir desse momento que saí em busca dele no Steam, e para minha alegria, lá estava até de promoção.

O jogo é um adventure/RPG, com gráficos em pixel art. Conta com alguns puzzles, nada muito complicado, apenas para dar algum desafio ao game, visto que o foco é a história. E eis aqui o ponto alto do game, colocando de forma bem simples, a história se trata de um velho que está à beira da morte, e contrata uma empresa que ‘realiza’ sonhos, o que é feito entrando na memória do paciente, colocando algum estímulo para que no desenrolar de sua vida, ele tenha feito o que sempre sonhou, que nesse caso é uma viagem à lua. O conceito é bem Inception mesmo.

to_the_moon_01

Mas claro, nada do que for plantado na memória da pessoa terá realmente acontecido, apenas será o suficiente para ela acreditar que aconteceu, e assim, ter uma morte feliz. O jogo gira em torno das memórias do paciente, por onde ele passou, quem ele conheceu, e os dois personagens jogáveis navegam pelas suas memórias, retrocedendo aos poucos nos anos de vida do velho, atentando aos detalhes para que possam plantar bem a ideia e tornar possível sua viagem à lua.

Nada do que for plantado na memória da pessoa terá realmente acontecido, apenas será o suficiente para ela acreditar que aconteceu.

É incrível como vão sendo revelados certos mistérios para o jogador, pois tudo que conhecemos de início é o que ele tem ao final de sua vida, mas não sabemos como ele conseguiu determinado objeto, ou como conheceu tal pessoa. A medida que vão sendo reveladas suas memórias anteriores, os fatos vão se encaixando, e quando se descobre o início de tudo, é uma sensação muito boa, e um choque ao mesmo tempo. E a partir daí, tudo que segue gera um turbilhão de emoções no jogador.

to_the_moon_02

Tudo isso, o sentimento e emoção que o jogo passa, não seriam possíveis sem uma ótima trilha sonora. É outro grande mérito do jogo, as músicas são bem imersivas, e acompanham bem até os momentos mais descontraídos de piadinhas entre os personagens, que ás vezes são um pouco até demais, mas nada que atrapalhe a experiência de jogo. Tudo caminha muito bem junto: história, gameplay e trilha sonora, tudo conspira para te emocionar, se assim você permitir, e acredite, você irá querer isso.

To The Moon é um jogo de 2011, desenvolvido pelo estúdio independente FreeBird Games, mas foi apenas há poucos dias atrás que o conheci através de uma postagem em uma rede social. No caso, a pessoa estava comentando sobre como o jogo é emotivo, e que chegou até a chorar jogando. Foi a partir desse momento que saí em busca dele no Steam, e para minha alegria, lá estava até de promoção. O jogo é um adventure/RPG, com gráficos em pixel art. Conta com alguns puzzles, nada muito complicado, apenas para dar algum desafio ao game, visto que o foco é a história. E eis aqui o ponto alto do game, colocando de forma bem simples, a história se trata de um velho que está à beira da morte, e contrata uma empresa que 'realiza' sonhos, o que é feito entrando na memória do paciente, colocando algum estímulo para que no desenrolar de sua vida, ele tenha feito o que sempre sonhou, que nesse caso é uma viagem à lua. O conceito é bem Inception mesmo. Mas claro, nada do que for plantado na memória da pessoa terá realmente acontecido, apenas será o suficiente para ela acreditar que aconteceu, e assim, ter uma morte feliz. O jogo gira em torno das memórias do paciente, por onde ele passou, quem ele conheceu, e os dois personagens jogáveis navegam pelas suas memórias, retrocedendo aos poucos nos anos de vida do velho, atentando aos detalhes para que possam plantar bem a ideia e tornar possível sua viagem à lua. Nada do que for plantado na memória da pessoa terá realmente acontecido, apenas será o suficiente para ela acreditar que aconteceu. É incrível como vão sendo revelados certos mistérios para o jogador, pois tudo que conhecemos de início é o que ele tem ao final de sua vida, mas não sabemos como ele conseguiu determinado objeto, ou como conheceu tal pessoa. A medida que vão sendo reveladas suas memórias anteriores, os fatos vão se encaixando, e quando se descobre o início de tudo, é uma sensação muito boa, e um choque ao mesmo tempo. E a partir daí, tudo que segue gera um turbilhão de emoções no jogador. Tudo isso, o sentimento e emoção que o jogo passa, não seriam possíveis sem uma ótima trilha sonora. É outro grande mérito do jogo, as músicas são bem imersivas, e acompanham bem até os momentos mais descontraídos de piadinhas entre os personagens, que ás vezes são um pouco até demais, mas nada que atrapalhe a experiência de jogo. Tudo caminha muito bem junto: história, gameplay e trilha sonora, tudo conspira para te emocionar, se assim você permitir, e acredite, você irá querer isso.

9.2

Fantástico!

Veredito Final

To The Moon é um game curto, mas muito competente. Uma ótima pedida para quem não procura apenas diversão descompromissada, mas algo mais profundo e sentimental. O gameplay é simples, mas funcional, a trilha sonora dá o clima certo ao game, o visual em pixel art é bonito, e a história emocionante e inesquecível.

Nota

9.2

9

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.