Review – Tales from the Borderlands – Episódio 4: Escape Plan Bravo

(Atenção, caso você não tenha jogado os episódios anteriores, este review terá alguns spoilers inevitáveis).

Tales from the Borderlands tem me cativado cada vez mais a cada novo episódio lançado. Esta é a primeira série da Telltale Games que tem como foco o humor, além de parecer necessitar mais de cenas de ação do que os outros trabalhos da desenvolvedora. De fato, os episódios que contam com mais cenas de ação são os que mais me divertiram. Infelizmente, o quarto episódio, chamado de “Escape Plan Bravo”, é o que tem menos disso. Porém não é apenas esse fator que faz dele o mais fraco até o momento, mas também a incapacidade de gerar o interesse constante e empolgação do jogador.

Não pense que por esses motivos o episódio seja ruim, ou que estrague toda a experiência, de forma alguma. Escape Plan Bravo continua o padrão estabelecido pelos outros episódios, contando com uma abertura divertida, humor e cenas de ação. Rhys, Fiona e toda a turma reunida nos episódios anteriores agora estão sob o “comando” da temível Mallory, que ordenou nossos heróis a buscarem a última peça restante para a divertidíssima robô Gortys. Para isso, a equipe deve ir até a base da empresa Hyperion, que simplesmente fica no espaço, por cima da lua de Pandora chamada de Helios.

Tales_from_the_Borderlands_review_screenshot_06

Logo em seu início, o episódio se assemelha àqueles filmes de assalto, em que um plano super elaborado é criado com cada personagem tendo sua meticulosa participação. A forma como isso é mostrada é bem divertida, o que certamente não irei estragar falando aqui, porém tudo retoma ao normal após algum tempo, e cheguei a esquecer que havia sequer um plano. A abertura é novamente um dos pontos divertidos, como padrão da série Borderlands e dos episódios anteriores, contando inclusive com uma das cenas mais engraçadas do jogo até o momento.

O episódio parece acontecer todo de forma mais lenta, sem as loucuras vistas nos anteriores

Como mencionei, senti a falta de mais ação, o que parece ser o principal elemento de sucesso no caso específico de Tales from the Borderlands, além do humor, claro. O episódio parece acontecer todo de forma mais lenta, sem as loucuras vistas nos anteriores. Aqui temos alguns momentos de exploração que apesar de não muito empolgantes, acabam não durando muito tempo. Uma boa inclusão no entanto, são cenas emocionais entre os personagens, com menção especial a uma que chega a ser tocante e ao mesmo tempo engraçada, considerando as possíveis ações de diálogo.

Tales from the Borderlands_20150819220711

Escape Plan Bravo parece sacrificar as cenas malucas de ação em troca de momentos mais sentimentais e centrados nos personagens, o que ainda é algo bom, porém talvez seria mais interessante manter ambos. De certa forma, o episódio não consegue empolgar ou prender tanto o jogador. Não há total envolvimento como na experiência com os outros episódios. O jogo vinha superando as expectativas a cada novo capítulo, talvez em algum momento precisaria dessa pausa na loucura. O final acaba de forma impactante, porém acredito que um pouco a mais deveria ser mostrado antes de terminar de fato. O episódio quatro é o mais fraco até o momento, mas levando em consideração todos os episódios desta série da Telltale, ainda podemos acreditar que o jogo irá finalizar de forma impactante, pelo menos tudo leva a crer que isso aconteça.

  • Este review de Tales from the Borderlands foi feito no PS4, com uma cópia do game enviada para nós pela Telltale Games.
  • Confira o nosso review do primeiro episódio “Zer0 Sum”, do segundo “Atlas Mugged” e também do terceiro, “Catch a Ride”.
(Atenção, caso você não tenha jogado os episódios anteriores, este review terá alguns spoilers inevitáveis). Tales from the Borderlands tem me cativado cada vez mais a cada novo episódio lançado. Esta é a primeira série da Telltale Games que tem como foco o humor, além de parecer necessitar mais de cenas de ação do que os outros trabalhos da desenvolvedora. De fato, os episódios que contam com mais cenas de ação são os que mais me divertiram. Infelizmente, o quarto episódio, chamado de "Escape Plan Bravo", é o que tem menos disso. Porém não é apenas esse fator que faz dele o mais fraco até o momento, mas também a incapacidade de gerar o interesse constante e empolgação do jogador. Não pense que por esses motivos o episódio seja ruim, ou que estrague toda a experiência, de forma alguma. Escape Plan Bravo continua o padrão estabelecido pelos outros episódios, contando com uma abertura divertida, humor e cenas de ação. Rhys, Fiona e toda a turma reunida nos episódios anteriores agora estão sob o "comando" da temível Mallory, que ordenou nossos heróis a buscarem a última peça restante para a divertidíssima robô Gortys. Para isso, a equipe deve ir até a base da empresa Hyperion, que simplesmente fica no espaço, por cima da lua de Pandora chamada de Helios. Logo em seu início, o episódio se assemelha àqueles filmes de assalto, em que um plano super elaborado é criado com cada personagem tendo sua meticulosa participação. A forma como isso é mostrada é bem divertida, o que certamente não irei estragar falando aqui, porém tudo retoma ao normal após algum tempo, e cheguei a esquecer que havia sequer um plano. A abertura é novamente um dos pontos divertidos, como padrão da série Borderlands e dos episódios anteriores, contando inclusive com uma das cenas mais engraçadas do jogo até o momento. O episódio parece acontecer todo de forma mais lenta, sem as loucuras vistas nos anteriores Como mencionei, senti a falta de mais ação, o que parece ser o principal elemento de sucesso no caso específico de Tales from the Borderlands, além do humor, claro. O episódio parece acontecer todo de forma mais lenta, sem as loucuras vistas nos anteriores. Aqui temos alguns momentos de exploração que apesar de não muito empolgantes, acabam não durando muito tempo. Uma boa inclusão no entanto, são cenas emocionais entre os personagens, com menção especial a uma que chega a ser tocante e ao mesmo tempo engraçada, considerando as possíveis ações de diálogo. Escape Plan Bravo parece sacrificar as cenas malucas de ação em troca de momentos mais sentimentais e centrados nos personagens, o que ainda é algo bom, porém talvez seria mais interessante manter ambos. De certa forma, o episódio não consegue empolgar ou prender tanto o jogador. Não há total envolvimento como na experiência com os outros episódios. O jogo vinha superando as expectativas a cada novo capítulo, talvez em algum momento precisaria dessa pausa na loucura. O final…

7

Muito bom

Veredito Final

Reduzindo um pouco o ritmo dos capítulos anteriores, pouco acontece no quarto episódio de Tales from the Borderlands, e assim não consegue fazer o jogador se sentir envolvido e empolgado o tempo todo, sensação que esteve presente desde o primeiro episódio. Escape Plan Bravo troca as loucas cenas de ação por momentos mais sentimentais entre os personagens, enquanto ainda traz diversos momentos de humor, incluindo uma das cenas mais engraçadas da série até então. Enquanto isso, o final acaba de forma abrupta, mas ainda dando esperanças de um bom término para esta ótima e divertida série.

Nota

7

7

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.