Review – Resident Evil: Revelations 2 – Episódio 2: Contemplação

Chamado de Contemplação, esta semana a Capcom lançou o segundo episódio de Resident Evil: Revelations 2, jogo que serve de continuação para o bem aceito Resident Evil: Revelations, embora não seja continuação direta da história. No primeiro episódio, tivemos a introdução da trama, onde Claire Redfield e Moira Burton, novata da série e filha de Barry Burton, são raptadas e levadas para uma prisão situada em uma ilha. Ao mesmo tempo, pelo menos ao que imaginávamos, o veterano Barry Burton sai em resgate de sua filha, acompanhado da misteriosa e também novata Natalia Korda, uma pequena menina com poderes especiais.

RESIDENT EVIL REVELATIONS 2_20150224203844

No primeiro episódio o game já demonstrou sua qualidade em termos de gameplay, que traz uma boa mecânica de movimentos, desvio de ataques e principalmente na dinâmica da troca dos personagens, quando em single-player, ou em termos de cooperação quando jogando em modo cooperativo local. Ressaltamos em nossa análise do primeiro episódio tais elementos, e como o cooperativo acaba sendo chato para um dos jogadores pelo fato de ser apenas de suporte, sem uso de armas de fogo, o que é especialmente chato com a pequena Natalia.

Um ponto que gostei muito na parte com o Barry é a possibilidade de matar rapidamente usando furtividade

Novamente o episódio é dividido em duas partes, o que será feito até o último. Sendo a primeira com Claire e Moira e a segunda com Barry e Natalia. Neste episódio há uma aparente melhora nos cenários, que são mais bem trabalhados, o que em algumas partes do primeiro percebi um pouco de descaso. O uso de cooperação ou troca de personagens continua sendo essencial. Com uma dificuldade maior por questão de inimigos mais problemáticos, a busca por itens escondidos no cenário se torna mais necessária, portanto prepare-se para usar bastante a lanterna de Moira ou apontar o dedo com Natalia.

RESIDENT EVIL REVELATIONS 2_20150304205600

Um ponto que gostei muito na parte com o Barry é a possibilidade de matar rapidamente usando furtividade. Como um bom fã de Metal Gear Solid, esse aspecto do jogo me deixou bem satisfeito, ainda mais quando combinado com a habilidade de Natalia de sentir a presença de inimigos próximos. A trama em Contemplação se intensifica a medida que os personagens vão descobrindo os segredos da ilha, apesar de ainda não ter muito revelado. Dessa vez há interação inclusive com outros sobreviventes presos na ilha, também membros da organização Terra Save na qual Claire e Moira trabalham.

A ação dessa vez é certamente mais desafiadora e mais no estilo clássico de Resident Evil

Alguns desses personagens no entanto são bem clichês, com falas e reações padrões, que na verdade me deram a sensação de estar assistindo um daqueles filmes de terror adolescente. Apesar disso, a história do segundo episódio agrada mais que o primeiro, sendo menos monótona. A ação dessa vez é certamente mais desafiadora e mais no estilo clássico de Resident Evil, com inimigos que acabam dando mais trabalho (malditos inimigos invisíveis). Muitas vezes tive até que combinar itens a fim de criar torniquetes ou desinfetantes, além claro, de bombas explosivas, incendiárias e aprimoramento das armas.

RESIDENT EVIL REVELATIONS 2_20150304213354

O segundo episódio de Resident Evil: Revelations 2 traz uma melhor e mais intensa história, com os personagens desvendando alguns mistérios enquanto novos são criados (por favor não seja igual Lost). Apesar de mostrar outros sobreviventes da ilha, eles são personagens bem clichês e não te dão motivos para se importar. Jogar cooperativamente ainda pode ser algo enjoativo para quem controla o personagem de suporte, embora com a Moira seja mais divertido. O uso de furtividade nas partes com o Barry é muito bem vindo. Por fim, os inimigos que oferecem um maior desafio lembram mais jogos anteriores da série, e causam a real sensação da luta pela sobrevivência.

  • Este review de Resident Evil: Revelations 2 – Episódio 2: Contemplação foi feito no PlayStation 4, com uma cópia do game enviada para nós pela Capcom.
Chamado de Contemplação, esta semana a Capcom lançou o segundo episódio de Resident Evil: Revelations 2, jogo que serve de continuação para o bem aceito Resident Evil: Revelations, embora não seja continuação direta da história. No primeiro episódio, tivemos a introdução da trama, onde Claire Redfield e Moira Burton, novata da série e filha de Barry Burton, são raptadas e levadas para uma prisão situada em uma ilha. Ao mesmo tempo, pelo menos ao que imaginávamos, o veterano Barry Burton sai em resgate de sua filha, acompanhado da misteriosa e também novata Natalia Korda, uma pequena menina com poderes especiais. No primeiro episódio o game já demonstrou sua qualidade em termos de gameplay, que traz uma boa mecânica de movimentos, desvio de ataques e principalmente na dinâmica da troca dos personagens, quando em single-player, ou em termos de cooperação quando jogando em modo cooperativo local. Ressaltamos em nossa análise do primeiro episódio tais elementos, e como o cooperativo acaba sendo chato para um dos jogadores pelo fato de ser apenas de suporte, sem uso de armas de fogo, o que é especialmente chato com a pequena Natalia. Um ponto que gostei muito na parte com o Barry é a possibilidade de matar rapidamente usando furtividade Novamente o episódio é dividido em duas partes, o que será feito até o último. Sendo a primeira com Claire e Moira e a segunda com Barry e Natalia. Neste episódio há uma aparente melhora nos cenários, que são mais bem trabalhados, o que em algumas partes do primeiro percebi um pouco de descaso. O uso de cooperação ou troca de personagens continua sendo essencial. Com uma dificuldade maior por questão de inimigos mais problemáticos, a busca por itens escondidos no cenário se torna mais necessária, portanto prepare-se para usar bastante a lanterna de Moira ou apontar o dedo com Natalia. Um ponto que gostei muito na parte com o Barry é a possibilidade de matar rapidamente usando furtividade. Como um bom fã de Metal Gear Solid, esse aspecto do jogo me deixou bem satisfeito, ainda mais quando combinado com a habilidade de Natalia de sentir a presença de inimigos próximos. A trama em Contemplação se intensifica a medida que os personagens vão descobrindo os segredos da ilha, apesar de ainda não ter muito revelado. Dessa vez há interação inclusive com outros sobreviventes presos na ilha, também membros da organização Terra Save na qual Claire e Moira trabalham. A ação dessa vez é certamente mais desafiadora e mais no estilo clássico de Resident Evil Alguns desses personagens no entanto são bem clichês, com falas e reações padrões, que na verdade me deram a sensação de estar assistindo um daqueles filmes de terror adolescente. Apesar disso, a história do segundo episódio agrada mais que o primeiro, sendo menos monótona. A ação dessa vez é certamente mais desafiadora e mais no estilo clássico de Resident Evil, com inimigos que acabam dando mais trabalho (malditos inimigos invisíveis). Muitas vezes tive até que combinar itens a fim de criar…

7.8

Muito bom

Veredito final

Em seu segundo episódio, chamado de Contemplação, Resident Evil: Revelations 2 consegue oferecer uma trama e gameplay mais intenso e empolgantes. Apesar de contar com novos personagens coadjuvantes insignificantes, a história é melhor por contar com alguns eventos interessantes e criar novos mistérios a medida que outros são desvendados, mantendo o jogador sempre curioso para saber o que está acontecendo. Jogar com as personagens de suporte ainda pode ser chato em cooperativo, principalmente com Natalia, enquanto o uso de stealth com Barry é muito bem vindo. A trama segue desenvolvendo e gerando mais expectativas pelos próximos episódios.

Nota

7.8

8

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.