Review – Hitman – Episódio 5: Colorado

4 de outubro de 2016

No quinto e penúltimo episódio de Hitman, a desenvolvedora IO Interactive leva jogadores atrás do misterioso cliente anônimo que tem levado o Agente 47 a diversos lugares do mundo para assassinar alvos específicos. Com a aproximação do final da primeira temporada do jogo, a história finalmente avança de forma a entendermos o que está acontecendo de fato. O episódio ainda apresenta diferenças para os anteriores que fazem com que a experiência pareça nova.

hitman_episodio_5_review_02

Neste episódio, intitulado de “Guerreiros da liberdade”, o Agente 47 tem a missão de ir atrás de quatro alvos que estão em uma fazenda no Colorado, EUA. O detalhe a se notar é que ao contrário dos episódios anteriores, o ambiente é completamente hostil. Aqui não há civis, apenas guardas fortemente armados, hackers e peritos em explosivos, portanto fica claro a necessidade de não ser notado, pelo menos até obter um disfarce. Esta mudança de ares é certamente o ponto alto do episódio, que troca os hotéis, mansões, e demais cenários dos episódios anteriores para um local novo e diferente.

Outro ponto que torna as coisas mais interessantes para o jogador, algo que eu vinha esperando, é a maior relação da missão com a história do jogo como um todo. Esta é a missão mais importante em termos do objetivo final do Agente 47, e termina em um suspense digno de final de temporada de séries de TV, que é justamente o que a desenvolvedora deseja com o modelo episódico. Apesar disso, a estrutura por episódios ainda limita essa forma de contar a história, indo apenas um pouco além do que foi feito nos outros episódios, com cenas de corte após cada um para contar trechos da trama.

hitman_episodio_5_review_06

Em termos de possibilidades de assassinatos, a missão fica um pouco abaixo das anteriores, embora ainda ofereça diversas formas de matar seus alvos. Agora temos o maior número de alvos, o dobro das missões anteriores, e cada um tem sua rotina na fazenda. Alguns locais inclusive, por exemplo a casa, exigem que você seja um soldado de elite para entrar. Portanto essas dificuldades são o principal desafio da missão, mas devo dizer que tudo se encaixou tão bem na minha jogada, que pareceu até estranho. Mas é exatamente isto que torna o gameplay de Hitman atrativo, as coisas podem dar muito certo, matando os alvos em sequência sem ser notado uma vez, como também tudo pode ir por água abaixo por um simples erro seu.

  • Este review de Hitman foi feito no PlayStation 4 com uma cópia do game enviada para nós pela Square Enix.
  • Confira o nosso review do primeiro episódio “Paris”, do segundo, “Sapienza”, do terceiro, “Marrakesh”, e do quarto, “Bangkok”.
No quinto e penúltimo episódio de Hitman, a desenvolvedora IO Interactive leva jogadores atrás do misterioso cliente anônimo que tem levado o Agente 47 a diversos lugares do mundo para assassinar alvos específicos. Com a aproximação do final da primeira temporada do jogo, a história finalmente avança de forma a entendermos o que está acontecendo de fato. O episódio ainda apresenta diferenças para os anteriores que fazem com que a experiência pareça nova. Neste episódio, intitulado de "Guerreiros da liberdade", o Agente 47 tem a missão de ir atrás de quatro alvos que estão em uma fazenda no Colorado, EUA. O detalhe a se notar é que ao contrário dos episódios anteriores, o ambiente é completamente hostil. Aqui não há civis, apenas guardas fortemente armados, hackers e peritos em explosivos, portanto fica claro a necessidade de não ser notado, pelo menos até obter um disfarce. Esta mudança de ares é certamente o ponto alto do episódio, que troca os hotéis, mansões, e demais cenários dos episódios anteriores para um local novo e diferente. Outro ponto que torna as coisas mais interessantes para o jogador, algo que eu vinha esperando, é a maior relação da missão com a história do jogo como um todo. Esta é a missão mais importante em termos do objetivo final do Agente 47, e termina em um suspense digno de final de temporada de séries de TV, que é justamente o que a desenvolvedora deseja com o modelo episódico. Apesar disso, a estrutura por episódios ainda limita essa forma de contar a história, indo apenas um pouco além do que foi feito nos outros episódios, com cenas de corte após cada um para contar trechos da trama. Em termos de possibilidades de assassinatos, a missão fica um pouco abaixo das anteriores, embora ainda ofereça diversas formas de matar seus alvos. Agora temos o maior número de alvos, o dobro das missões anteriores, e cada um tem sua rotina na fazenda. Alguns locais inclusive, por exemplo a casa, exigem que você seja um soldado de elite para entrar. Portanto essas dificuldades são o principal desafio da missão, mas devo dizer que tudo se encaixou tão bem na minha jogada, que pareceu até estranho. Mas é exatamente isto que torna o gameplay de Hitman atrativo, as coisas podem dar muito certo, matando os alvos em sequência sem ser notado uma vez, como também tudo pode ir por água abaixo por um simples erro seu. Este review de Hitman foi feito no PlayStation 4 com uma cópia do game enviada para nós pela Square Enix. Confira o nosso review do primeiro episódio "Paris", do segundo, "Sapienza", do terceiro, "Marrakesh", e do quarto, "Bangkok".

8

Excelente

Veredito Final

O sexto e penúltimo episódio de Hitman prepara muito bem a história e o jogador para o final da temporada. A missão é uma das mais desafiadoras em termos de ambiente, já que o Agente 47 está em um local complementa hostil, rodeado de guardas armados e especialistas em explosivos, e também com o maior número de alvos até agora. O visual não é o melhor visto até então, com cenários pouco atrativos nesse sentido. O destaque fica por conta dessa pequena mudança na estrutura já definida do jogo da IO Interactive, onde estamos em um ambiente restrito o tempo todo e sem civis, mas também vale ressaltar o ótimo avanço da história, que termina em um grande suspense como final de temporadas de séries de TV, prometendo assim um episódio final bem interessante.

Nota

8

8

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.