Review – Batman: The Telltale Series – Episódio 4: Guardian of Gotham

Uma das principais vantagens de se trabalhar o enredo de um herói que não é um alienígena super poderoso, um deus, uma máquina e nem tampouco foi atingido por um raio que lhe deu super poderes, ou seja, um herói que é um ser humano normal, é que como tal, ele possui as mesmas fraquezas e dificuldades que o público em geral possui, tornando mais fácil se relacionar com os desafios enfrentados por ele. Obviamente é mais fácil compreender a dificuldade de um herói humano que passa noites acordado combatendo o crime, do que com outro que precisa suportar o peso de um meteoro que cai, afinal nunca saberemos o peso de um meteoro, mas podemos muito bem conhecer o peso de uma noite mal dormida.

batman_telltale_series_episode_4_4

Nesse sentido, Batman sempre esteve muito a frente de seus companheiros heroicos, e é notável que as grandes sagas do personagem quase sempre são marcadas por um desafio comum, que independe do vilão a ser combatido, o de levar o lado humano do personagem ao limite, forçando-o a travar suas batalhas em busca de justiça até as ultimas consequências físicas e mentais. No caso da saga Batman: The Telltale Series, que chegou ao seu quarto episódio, “Guardian of Gotham”, o foco principal foi desde o princípio o lado Bruce Wayne da história, sendo assim, era esperado que víssemos algo do gênero acontecer, e esse episódio não decepciona nesse sentido, mostrando um Bruce Wayne já relativamente abatido pela sequência de golpes que recebera ao longo dos primeiros três episódios.

batman_telltale_series_episode_4_10

Sua missão de justiça está abalada, suas crenças foram destruídas e seus motivos banalizados, enquanto sua reputação é jogada na lama. A cidade que ele jurou proteger está entregue ao caos e à violência, e o povo que ele tanto ama agora o odeia com ou sem traje de morcego. É nesse ponto que talvez seja possível vislumbrar o verdadeiro objetivo da Telltale com essa saga, que antes acreditávamos ser a versão completa da Telltale de um Batman totalmente recriado por ela, mas que na verdade deixa claro que, apesar de ser sim, um novo Batman nascido das mentes criativas da Telltale, esses primeiros 5 episódios funcionam como o primeiro capítulo de algo bem maior, e que a saga que parecia estar próxima do fim, será na verdade apenas o início desse novo Batman que deixa claro ainda ter muito a mostrar.

batman_telltale_series_episode_4_2

No que diz respeito ao gameplay, apesar de novamente não apresentar nenhuma novidade significativa, a Telltale volta a acertar no ritmo da experiência. Com cenas curtas, diálogos mais rápidos e sequências de ação menores e sem travamentos, a Telltale mantém o jogador interessado nos eventos, e consegue manter uma boa qualidade. E sobre o já tão comentado impacto das escolhas do jogador, que até então pareciam surtir efeitos mínimos, aqui mostram uma importância um pouco maior, tendo eu inclusive sentido falta de uma cena vista nas “cenas do próximo episódio” que simplesmente não ocorreu no meu jogo por conta das escolhas que fiz. Um último ponto negativo a ser observado, é que assim como o episódio 3, esse mostra falhas graves na localização para o Brasil, com diversas falas e opções de diálogo sendo mostradas em inglês na versão legendada em português.

batman_telltale_series_episode_4_3

Não poderia deixar de comentar um detalhe que por conta dos trailers liberados, acabou se tornando alvo de expectativa dos fãs que acompanham a saga, a aparição de um suposto Coringa. Sem dar spoilers, posso dizer apenas que me agradou a apresentação do personagem. A princípio tive receio de um personagem com tanta importância ser apresentado tão tarde na temporada, que sua aparição pudesse ser apenas para cumprir a necessidade de mostrar o principal antagonista do Batman na série. Porém a abordagem usada para o mesmo é tão natural e sem pretensão, que deixou claro o objetivo da aparição dele: a promessa de um futuro maior do que os eventos mostrados até aqui. Talvez vejamos o coringa ainda como participante secundário no quinto episódio, e talvez até durante uma segunda temporada, criando expectativa para um clímax verdadeiro que pode ocorrer ainda mais a frente. E a sensação de ver algo assim no futuro, é deliciosa.

  • Este review de Batman: A Telltale Series foi feito no PC com uma cópia do game enviada para nós pela Telltale Games.
  • Confira o nosso review do primeiro episódio, “Realm of Shadows”, do segundo episódio, “Children of Arkham”, e do terceiro episódio, “New World Order” .
Uma das principais vantagens de se trabalhar o enredo de um herói que não é um alienígena super poderoso, um deus, uma máquina e nem tampouco foi atingido por um raio que lhe deu super poderes, ou seja, um herói que é um ser humano normal, é que como tal, ele possui as mesmas fraquezas e dificuldades que o público em geral possui, tornando mais fácil se relacionar com os desafios enfrentados por ele. Obviamente é mais fácil compreender a dificuldade de um herói humano que passa noites acordado combatendo o crime, do que com outro que precisa suportar o peso de um meteoro que cai, afinal nunca saberemos o peso de um meteoro, mas podemos muito bem conhecer o peso de uma noite mal dormida. Nesse sentido, Batman sempre esteve muito a frente de seus companheiros heroicos, e é notável que as grandes sagas do personagem quase sempre são marcadas por um desafio comum, que independe do vilão a ser combatido, o de levar o lado humano do personagem ao limite, forçando-o a travar suas batalhas em busca de justiça até as ultimas consequências físicas e mentais. No caso da saga Batman: The Telltale Series, que chegou ao seu quarto episódio, "Guardian of Gotham", o foco principal foi desde o princípio o lado Bruce Wayne da história, sendo assim, era esperado que víssemos algo do gênero acontecer, e esse episódio não decepciona nesse sentido, mostrando um Bruce Wayne já relativamente abatido pela sequência de golpes que recebera ao longo dos primeiros três episódios. Sua missão de justiça está abalada, suas crenças foram destruídas e seus motivos banalizados, enquanto sua reputação é jogada na lama. A cidade que ele jurou proteger está entregue ao caos e à violência, e o povo que ele tanto ama agora o odeia com ou sem traje de morcego. É nesse ponto que talvez seja possível vislumbrar o verdadeiro objetivo da Telltale com essa saga, que antes acreditávamos ser a versão completa da Telltale de um Batman totalmente recriado por ela, mas que na verdade deixa claro que, apesar de ser sim, um novo Batman nascido das mentes criativas da Telltale, esses primeiros 5 episódios funcionam como o primeiro capítulo de algo bem maior, e que a saga que parecia estar próxima do fim, será na verdade apenas o início desse novo Batman que deixa claro ainda ter muito a mostrar. No que diz respeito ao gameplay, apesar de novamente não apresentar nenhuma novidade significativa, a Telltale volta a acertar no ritmo da experiência. Com cenas curtas, diálogos mais rápidos e sequências de ação menores e sem travamentos, a Telltale mantém o jogador interessado nos eventos, e consegue manter uma boa qualidade. E sobre o já tão comentado impacto das escolhas do jogador, que até então pareciam surtir efeitos mínimos, aqui mostram uma importância um pouco maior, tendo eu inclusive sentido falta de uma cena vista nas "cenas do próximo episódio" que simplesmente não ocorreu no meu jogo por conta das escolhas que fiz. Um…

8.5

Excelente

Veredito Final

Batman The Telltale Series segue adiante, de volta com o rítmo dos primeiros episódios e uma ótima história. O gameplay não mostra novidades, como já esperado, mas consegue entregar uma experiência interessante e com boas sacadas. A Telltale acerta na criação de expectativa, não só para o último capítulo da temporada, mas também para um possível futuro da série.

Nota

8.5

9

Redator da SuperGamePlay, escritor, quadrinista, apaixonado por games desde a primeira vez que viu um Mega Drive. Pode não fazer todas as quests secundárias mas vai avaliar cautelosamente a paleta de cores do menu inicial. Um grande filósofo de banheiro que sonha com o dia em que nunca mais precisará dormir.