The Order: 1886 conta com os gráficos mais impressionantes da nova geração

9 de outubro de 2014

Durante a Brasil Game Show 2014 foram disponibilizadas quatro estações com PlayStation 4 para teste de The Order: 1886, jogo da Ready at Dawn e da Santa Monica Studios. Quatro estações certamente é muito pouco, visto à fila que está sempre enorme, sendo um dos mais requisitados do evento. Após uma hora e meia de fila, consegui testar esse fantástico jogo, que impressiona principalmente pelos seus gráficos, e o cenário detalhado em uma Londres Vitoriana. O game conta com o estilo steampunk, e mistura fatos históricos com ficção.

A demonstração retrata o capítulo 11 do jogo, e coloca o jogador com o rifle de termita, arma muito interessante que possui dois modos, primeiramente atirando pólvora pra todos os lados, e depois uma bala incendiária, que queima tudo onde a pólvora foi jogada. Logo de início já há uma cena de corte, que logo muda para o gameplay sem nenhuma alteração gráfica, sendo a mudança imperceptível, o que achei bem fantástico. O gráfico é deslumbrante, acredito que um dos melhores que vi até hoje no PlayStation 4 e na nova geração.

O cenário conta com muitos detalhes, tudo muito fiel à época. Em uma apresentação no estande do PlayStation, um membro da equipe de desenvolvimento do jogo mostrou várias armas, algumas reais inspiradas em armas britânicas, germânicas e americanas, e também armas específicas do jogo. Estas são desenvolvidas pelo famoso cientista Nikola Tesla, que trabalha pra Ordem e auxilia desevolvendo novas tecnologias.

A demonstração acaba bem rápido, infelizmente, mas já mostra o poder do jogo. O gameplay se assemelha bastante a Uncharted, com a forma de esconder e atirar, mas que segundo o apresentador, não ficará só nisso. A demonstração já contava também com dublagem em português do Brasil, que ficou certamente bem competente, principalmente do personagem principal, Galahad. The Order: 1886 é exclusivo de PlayStation 4 e sai em 20 de Fevereiro de 2015.

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.