Muita ação, sangue e tiroteio frenético resumem Gears of War 4

2 de setembro de 2016

A demo de Gears of War 4 que a Microsoft trouxe para a Brasil Game Show 2016 pode não ter sido a melhor escolha. O que estava disponível era o recém-anunciado modo Horde 3.0, como a empresa o chama. No entanto, apesar de ser divertido e até melhorado das versões anteriores, eu esperava ver uma demo da campanha. Porém para minha alegria, a demonstração de campanha estava disponibilizada no estande da Nvidia, rodando em um PC com uma poderosa GTX 1080.

O modo horda retorna dos jogos anteriores, porém agora com novos recursos como possibilidade de construir defesas e diferentes classes para os personagens. Nesse modo a comunicação entre a equipe é importante, o que infelizmente não deu pra fazer no evento. Na questão de gameplay, o que podemos perceber é uma enorme semelhança aos jogos anteriores, muito pouco se difere, talvez apenas na questão das finalizações, de resto é pegar cobertura e atirar.

O grande atrativo para mim foi poder jogar um trecho da campanha no PC, como estava disponível no estande da Nvidia. Os gráficos do jogo são lindos, tanto no Xbox One, como testei o modo horda, quanto no PC rodando em uma GTX 1080. A demo mostra a mesma parte divulgada em um vídeo de gameplay em Julho, que você confere acima. Os personagens enfrentam uma perigosa tempestade, e é interessante notar até os pingos da chuva que aparecem nas roupas.

Os cenários também são um show a parte, com objetos detalhados e efeitos realistas. Outro destaque é em relação ao áudio, como em uma parte em que os personagens atravessam uma caverna conversando e suas vozes ganham eco, tornando mais realista a experiência. Enquanto isso, a ação frenética e violência típica da série estão de volta, o que deve agradar aos fãs de longa data. Em relação à história ainda não há como ter uma noção, mas fico curioso de ver o retorno de Marcus Fenix. Gears of War 4 chega em 11 de Outubro ao PC e Xbox One com suporte ao Play Anywhere.

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.