Batalhas empolgantes e uso de estratégia resumem experiência de For Honor

26 de junho de 2015

A Ubisoft sempre costuma guardar algumas cartas na manga para revelação a cada nova E3. A E3 2015 não foi exceção e uma dessas cartas foi o chamado For Honor, jogo de batalhas medievais entre times de quatro jogadores. No trailer de anúncio vimos diferentes “facções” que os jogadores poderão escolher, dentre Cavaleiros, Vikings e Samurais. Apesar de parecer muito bem trabalhado, confesso que no anúncio não fiquei muito empolgado, a única coisa que me veio a cabeça foi Chivalry: Medieval Warfare, jogo lançado para PC, PS3 e Xbox 360 que conta com o mesmo estilo.

No entanto, diferente de Chivalry: Medieval Warfare, o jogo da Ubisoft aparenta mais inteligente e estratégico. Não espere apenas chegar em frente a um inimigo e matá-lo facilmente. Claro, isso pode ser feito com diversos inimigos no cenário controlados pelo computador, para esses basta um ataque normal para derrotá-los com uma finalização. Já para adversários humanos, aí sim a batalha é realmente intensa. Mais importante do que golpear é certamente se defender. Tanto a defesa quanto o ataque consistem em três posições: esquerda, direita e cima, que são escolhidas utilizando o analógico direito do controle. Se seu inimigo está defendendo para a esquerda dele, você deverá atacar pelo outro lado ou por cima, enquanto para defender você deverá estar posicionado do mesmo lado que o ataque do oponente.

Além de defender é possível também se esquivar de ataques, rolando para o lado, e se por acaso um inimigo permanece apenas defendendo, há ainda uma forma de quebrar sua defesa. Batalhas um contra um podem ser bem complicadas em For Honor, caso os jogadores apliquem bem a defesa. Quando há dois ou mais contra um adversário, a batalha já fica injusta. Ao jogar e estar em contato com a equipe, é possível se empolgar com as mortes dos inimigos menores, e principalmente, quando se derrota outro jogador. No entanto, uma estratégia é essencial e quase obrigatória se a equipe quiser ganhar. Separar todos os jogadores e partir para objetivos diferentes é quase certeza de derrota.

Na partida que joguei o tipo de jogo era de dominação, portanto o objetivo era controlar as áreas do mapa. Ao chegar em cada área há diversos inimigos menores, fáceis de derrotar. Derrotando-os, basta ficar na área para tomá-la. Uma interessante funcionalidade chamada de “breaking” é ativada quando uma equipe chega a um número alto de pontos. Nesse momento, os membros da equipe não podem mais voltar caso morram. O visual do jogo é certamente fantástico, e as finalizações de inimigos são muito empolgantes. Resta apenas ver como será o modo single-player que estará presente no game, se este irá oferecer conteúdo suficiente para satisfazer os jogadores que não querem apenas batalhas multiplayer. For Honor terá versões para PC, PlayStation 4 e Xbox One. O jogo ainda não possui uma data de lançamento.

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.