Review – Rise of the Tomb Raider – A ascensão de Lara Croft

16 de outubro de 2016

Anunciado na E3 do ano passado como um exclusivo do Xbox, Rise of the Tomb Raider gerou certa confusão na cabeça dos jogadores se seria lançado para outras plataformas ou não. Algum tempo depois, foi revelado que ele ganharia também versões para PC e PlayStation 4. Sendo assim, o game é um exclusivo temporário do Xbox 360 e Xbox One, e lançado em Novembro deste ano. O jogo trazido pela desenvolvedora Crystal Dynamics representa uma evolução em todos os sentidos na franquia Tomb Raider, trazendo uma Lara Croft mais experiente e um gameplay mais completo e divertido.

Após ter passado maus bocados na ilha do primeiro jogo que serviu como reboot da série, contando como sua primeira aventura, agora Lara se mostra mais experiente, porém ainda aprendendo. O mais notável no novo jogo, no entanto, é a confiança que a protagonista agora tem em suas crenças e também em suas habilidades. A história tem como foco o passado de Lara, mais precisamente envolvendo seu pai, que sempre esteve em busca da imortalidade. Mas para ela, e seu pai, isto não seria para o bem próprio, e sim uma forma de ajudar as pessoas ao redor do mundo.

Rise_of_the_tomb_raider_review_07

Mas como em toda história, sempre há um vilão em busca de usar tais recursos para seu próprio fortalecimento, normalmente a fim de dominar a humanidade. Neste caso o vilão é retratado como a organização Trinity, ou como um de seus comandantes chamado de Konstantin. A motivação de Lara é terminar o que seu pai começou. Essa busca implacável a leva até a Síria e eventualmente até a Sibéria, onde passamos praticamente 90% do jogo. Logo de início, a primeira coisa a se notar é o visual, que aproveita perfeitamente o hardware do Xbox One, com gráficos realistas em cenários impressionantes.

O jogo trazido pela desenvolvedora Crystal Dynamics representa uma evolução em todos os sentidos na franquia Tomb Raider

Prepare-se para tirar várias capturas de tela, pois cada cena é mais bela que a outra. O gameplay, assim como no jogo anterior, é o principal elemento em Rise of the Tomb Raider. Agora mais refinado e com mais possibilidades, continua sendo extremamente prazeroso controlar Lara, seja caçando com arco e flecha, escalando e explorando tumbas, ou eliminando inimigos furtivamente. A furtividade foi muito melhorada, e agora é possível passar quase o jogo inteiro sem ser notado, a não ser pelos momentos que obrigatoriamente exigem combate aberto.

Rise_of_the_tomb_raider_review_01

O jogo é muito familiar para aqueles que jogaram o game de 2013, e sendo assim será fácil se acostumar a ele. Tudo o que havia no anterior está aqui de volta, porém com algumas possibilidades a mais. Lara agora tem à sua disposição várias armas em diferentes categorias. Ao invés de ter apenas um arco, ela possui vários e pode escolher qual usar, o mesmo vale para outras armas: pistolas, escopetas, fuzis. Todas elas possuem suas melhorias, agora em maior quantidade. Outro novo elemento é a capacidade que Lara tem de criar munições especiais, como flechas venenosas ou explosivas.

A furtividade foi muito melhorada, e agora é possível passar quase o jogo inteiro sem ser notado

Essas munições especiais dão uma variedade aos combates, onde o jogador ganha mais liberdade para escolher o que cai melhor para seu estilo de jogo. Junto à criação de itens especiais, vem a coleta de recursos, que são necessários para a criação de diversos itens e munições. O jogo pega emprestado um pouco do conceito introduzido no ótimo Far Cry 3, onde por exemplo para criar uma mochila maior você precisa de couro de urso. Tudo isso se alia muito bem ao jogo, dando muito mais motivos para a caça, o que no game anterior estava presente mas era completamente desnecessário.

Rise_of_the_tomb_raider_review_05

O sistema de progressão da personagem também merece destaque, já que a cada nova habilidade adquirida é facilmente notável a sensação de estar mais forte. Ao final do jogo, o jogador deve estar habituado a todos os movimentos e habilidades melhoradas de Lara, tornando-a ainda mais letal. Outra adição interessante ao game foi o sistema de linguagem, no qual a protagonista aprende a medida que lê documentos e monólitos espalhados no cenário. Muitas vezes você irá se deparar com algo que não pode ser lido, mas basta seguir o jogo, ler todos os documentos, para depois retornar e ser capaz de ler.

A história, apesar de desenvolver bem e trazer um objetivo que mostra mais das crenças e objetivos de Lara, continua no mesmo patamar, e a meu ver é o único ponto que a série deve melhorar em seus próximos capítulos

Para completar o pacote, o novo jogo traz de volta a exploração de tumbas, bem como era nos antigos jogos da série. As tumbas são facilmente um dos melhores elementos do game, levando o jogador a pensar e enfrentar quebra-cabeças e armadilhas até encontrar uma forma de chegar ao objetivo. Não só isso, mas ao completar cada tumba o jogador ganha uma recompensa útil, que vem em forma de uma nova habilidade. Portanto, como se não bastasse a diversão de se explorar, há uma recompensa que fará qualquer um se sentir tentado, mesmo que seja um desafio inteiramente opcional.

Rise_of_the_tomb_raider_review_04

Rise of the Tomb Raider é uma clara melhora em relação ao jogo anterior, e é a ascensão que Lara Croft precisava. A história, apesar de desenvolver bem e trazer um objetivo que mostra mais das crenças e objetivos de Lara, continua no mesmo patamar, e a meu ver é o único ponto que a série deve melhorar em seus próximos capítulos. O gameplay é novamente o ponto forte do jogo, e controlar a protagonista nunca foi tão bom, mesmo com aquela sensação familiar de já ter jogado isso (inclusive algumas cenas tenho certeza já ter visto bem similares no jogo anterior). Mas acima de tudo, esta é uma experiência mais do que recomendada a qualquer fã de jogos de ação, aventura e exploração.

Atualização: Rise of the Tomb Raider agora está disponível também no PlayStation 4 em uma edição que comemora os 20 anos da franquia. Além do jogo base, a edição inclui todos os conteúdos adicionais já lançados, além de novidades. Dentre elas está o modo sobrevivência que pode ser jogado em co-op e um modo que se passa na mansão Croft, o que acrescenta mais à história de Lara. Após quase um ano de seu lançamento no Xbox One, o jogo ainda apresenta um visual belíssimo, assim como gameplay responsivo e gostoso de jogar. As duas versões de consoles são bem semelhantes, sendo igualmente excelentes. Sendo assim, a jornada continua sendo extremamente recomendada para fãs de jogos nesse estilo.

  • Este review de Rise of the Tomb Raider foi feito no Xbox One com uma cópia do game comprada por nós, e no PlayStation 4 com uma cópia enviada pela Square Enix.
Anunciado na E3 do ano passado como um exclusivo do Xbox, Rise of the Tomb Raider gerou certa confusão na cabeça dos jogadores se seria lançado para outras plataformas ou não. Algum tempo depois, foi revelado que ele ganharia também versões para PC e PlayStation 4. Sendo assim, o game é um exclusivo temporário do Xbox 360 e Xbox One, e lançado em Novembro deste ano. O jogo trazido pela desenvolvedora Crystal Dynamics representa uma evolução em todos os sentidos na franquia Tomb Raider, trazendo uma Lara Croft mais experiente e um gameplay mais completo e divertido. Após ter passado maus bocados na ilha do primeiro jogo que serviu como reboot da série, contando como sua primeira aventura, agora Lara se mostra mais experiente, porém ainda aprendendo. O mais notável no novo jogo, no entanto, é a confiança que a protagonista agora tem em suas crenças e também em suas habilidades. A história tem como foco o passado de Lara, mais precisamente envolvendo seu pai, que sempre esteve em busca da imortalidade. Mas para ela, e seu pai, isto não seria para o bem próprio, e sim uma forma de ajudar as pessoas ao redor do mundo. Mas como em toda história, sempre há um vilão em busca de usar tais recursos para seu próprio fortalecimento, normalmente a fim de dominar a humanidade. Neste caso o vilão é retratado como a organização Trinity, ou como um de seus comandantes chamado de Konstantin. A motivação de Lara é terminar o que seu pai começou. Essa busca implacável a leva até a Síria e eventualmente até a Sibéria, onde passamos praticamente 90% do jogo. Logo de início, a primeira coisa a se notar é o visual, que aproveita perfeitamente o hardware do Xbox One, com gráficos realistas em cenários impressionantes. O jogo trazido pela desenvolvedora Crystal Dynamics representa uma evolução em todos os sentidos na franquia Tomb Raider Prepare-se para tirar várias capturas de tela, pois cada cena é mais bela que a outra. O gameplay, assim como no jogo anterior, é o principal elemento em Rise of the Tomb Raider. Agora mais refinado e com mais possibilidades, continua sendo extremamente prazeroso controlar Lara, seja caçando com arco e flecha, escalando e explorando tumbas, ou eliminando inimigos furtivamente. A furtividade foi muito melhorada, e agora é possível passar quase o jogo inteiro sem ser notado, a não ser pelos momentos que obrigatoriamente exigem combate aberto. O jogo é muito familiar para aqueles que jogaram o game de 2013, e sendo assim será fácil se acostumar a ele. Tudo o que havia no anterior está aqui de volta, porém com algumas possibilidades a mais. Lara agora tem à sua disposição várias armas em diferentes categorias. Ao invés de ter apenas um arco, ela possui vários e pode escolher qual usar, o mesmo vale para outras armas: pistolas, escopetas, fuzis. Todas elas possuem suas melhorias, agora em maior quantidade. Outro novo elemento é a capacidade que Lara tem de criar munições especiais, como flechas…

9

Fantástico!

Veredito Final

A Crystal Dynamics se supera novamente e entrega aos jogadores um dos jogos mais refinados em termos de gameplay do ano. Rise of the Tomb Raider é uma clara evolução da nova fórmula da série exibida no reboot de 2013, e mais do que isso, o jogo traz novos sistemas que expandem a forma de jogar e de se sobressair sobre os inimigos. Lara pode ser furtiva matando de árvores, de baixo d'água, ou explodindo tudo com um arsenal de flechas explosivas, venenosas e muito mais. Mais do que nunca, a forma de jogar está nas mãos do jogador. Enquanto isso, temos a chance de notar mais as crenças e objetivos de Lara em uma história que desenvolve bem e agrada, porém demonstra que ainda tem muito mais a oferecer. Com visual de cair o queixo e o retorno da exploração de tumbas como nos antigos games da franquia, não há como deixar o jogo passar caso seja fã do gênero. Agora Lara espera o próximo movimento de Nathan Drake.

Nota

9

9

Redator da SuperGamePlay, se apaixonou por videogames na primeira vez que jogou Atari. Preza por uma boa história, é fanático por Metal Gear e está sempre em busca de bons jogos indies. Ama consoles, mas também não larga o PC. Tudo o que queria era mais tempo para terminar todos os jogos que gostaria.